Indústria alimentar e de bebidas

É uma das indústrias líder e uma das maiores consumidoras de água e energia. Também produz importantes quantidades de resíduos orgânicos e outros tipos de materiais como plástico, vidro e cartão. As mudanças de hábitos alimentares, o crescimento demográfico e o aumento do nível de vida das populações têm um significativo impacto no setor, que está fortemente empenhado em garantir alimentos e bebidas de qualidade nutritiva e segurança alimentar e ao mesmo tempo reduzir o consumo de recursos e os impactos da sua atividade no ambiente.

CONSUMIDOR INTENSIVO DE ÁGUA E ENERGIA

Antes mesmo de chegar às nossas mesas, os produtos alimentares e as bebidas passam por um elaborado processo de produção, durante o qual grandes quantidades de água e energia são utilizadas.

A crescente necessidade de água para a indústria alimentar e de bebidas está a levar o setor a procurar reduzir o seu consumo, tratar as águas residuais para reutilização, reabastecer os aquíferos e evitar o desgaste dos recursos.

No que diz respeito ao consumo de energia, é também expectável que o setor continue a reduzir a sua pegada de carbono. Uma mudança impulsionada por eficiências de custo, legislação, mas também pelas próprias expectativas dos retalhistas e consumidores.

Paralelamente,  a eficiência energética e o recurso a energias renováveis (produção de biogás, caldeiras de biomassa, co-digestão de resíduos orgânicos, ...) constituem soluções pertinentes para compensar o consumo intensivo de energia que o setor exige.


 GESTÃO DE RESÍDUOS, UM GRANDE DESAFIO

Raízes, sementes de frutas, soro de queijo, peles e gorduras animais: o fabrico de bens alimentares e de bebidas origina grandes quantidades de resíduos industriais, que necessitam de um encaminhamento adequado.

Quando esses resíduos orgânicos não são valorizados ou utilizados para outros fins na própria indústria alimentar e de bebidas, ou em empresas produtoras de rações animais ou outras , oferecem ainda assim  oportunidades interessantes para a produção de energia verde ou valorização agrícola.

Outro fluxo de resíduos industriais – as embalagens – representa também um importante volume de resíduos sólidos. A indústria de alimentos e de bebidas representa, por si só, 66% da faturação do fabrico de embalagens.

Embora a grande maioria dos resíduos de embalagens não tenha origem nas fábricas, mas sim no ponto de distribuição e consumo, os produtores de alimentos e bebidas não devem deixar de dar o seu contributo para reduzir, separar e reciclar adequadamente os seus resíduos sólidos e alcançar o objetivo de «zero deposição em aterro».

Algumas empresas vão ainda mais longe e incorporam matérias-primas secundárias, por forma a reduzir a pegada ambiental global dos seus produtos, sem comprometer a qualidade ou a integridade dos mesmos.

A abordagem integrada da Veolia para a energia, água e gestão de resíduos global permite uma otimização de todo o ciclo de vida das instalações com resultados garantidos ao nível da qualidade, quantidade, disponibilidade e pegada ambiental.